Viva os detalhes


Girassol da Manô

       A felicidade mora nos detalhes, e na capacidade de enxergá-los nas coisas simples. É surpreendente como a ostentação ganha muito mais atenção do que a simplicidade constatei isso ao postar uma foto do coelho pão de Páscoa que fizemos, na legenda estava a primeira frase deste texto.

         Não, eu não queria muitos likes, mas quando decidi compartilhar aquilo, eu queria muito que todos sentissem a alegria que eu senti ao ver o coelho, ele me deixou em um estado de euforia, e eu queria que meus “amigos” da timeline também pudessem sentir, e acredito sim que alguns sentiram, uns poucos perceberam o motivo pelo qual eu estava dividindo aquilo, não para me “aparecer”, mas para demonstrar que é possível ser feliz com pouco, com a simples desinversão dos valores, que foram inversos há algum tempo, e que passaram a priorizar o ter ao invés do ser.

        Mas principalmente para despertar a percepção de que existem pequenas coisas que tem o poder de deixar o dia mais bonito, às relações mais agradáveis, e que para enxergá-las é preciso estar disposto a isso, é preciso apreciar, é preciso sensibilidade e tato para perceber o que é atropelado por todos o tempo todo, é necessário parar e perceber as flores, perceber uma mesa arrumada, sensibilizar-se com as miudezas de atitudes e carinhos, aquelas que exigem atenção, que exigem dedicação para arrancarem sorrisos.

       O simples fato de servir o aperitivo em um coelho de pão devia bastar para que todos sorrissem e deixassem às preocupações de lado, e foi o que aconteceu com as pessoas que estavam comigo, ainda bem! Não se descuidar dos detalhes é um treinamento, exige dedicação para apurar o olhar, mas a recompensa é grande, pois são eles que mudam nossa rotina, são eles que fazem dos dias “normais”, dias sensacionais, eles tem o poder transformador de despertar alegria sem exigir muito, basta ter o coração aberto, a mente disposta, e cuidado com os que ama. Viva os detalhes.


Camila Amaral

Sobre Camila Amaral

Não tenho uma história bonita pra contar, de que comecei a escrever poesia com nove anos, ou que respiro porque escrevo. Sempre gostei muito de ler, e sempre gostei muito de contar histórias, mas escrever, escrever mesmo, só se tornou recorrente quando me prontifiquei a materializar esse projeto, que hoje é meu, mas também é das minhas amigas, que tanto insistiram e me fizeram prometer que ele existiria. Mas vejo, nesse pouco tempo, que comecei a passar minhas ideias e histórias para o papel, como isso tem me feito bem, e tem me ajudado nessa busca diária de me tornar um ser humano melhor, mais cheia de alma, e mais cheia de calma, percebo como isso tem me feito enxergar o que antes não via, e observar o comportamento das pessoas infinitas vezes mais que antes. Meus escritos sempre tem muito de mim, mas também tem muito do que eu observo, ouço, aprecio e absorvo por aí, um pouco fruto da realidade, um tanto fruto da imaginação. Designer de Moda por formação, sempre pronta pra me reinventar e começar de novo, graças a Deus ideias e sonhos não tem prazo de validade, e nem limite de utilização. Sou privilegiada pelas muitas “famílias” que tenho e que ganhei ao longo dos meus vinte e poucos, me sinto especial quando percebo o tanto de gente incrível me rodeia, e são esses seres mágicos, os lugares, os cheiros, gostos, os sabores, as dores, e as alegrias, os sonhos e as realizações, o dia-a-dia e o excepcional que me inspiram e servem como fonte infinita para escrever e contar pra vocês um pouquinho de como eu enxergo esse mundão.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *