Um viva aos barbados 1


            Já faz alguns meses que o assunto barba vem sendo colocado em pauta, por bastante tempo durante o reinado metrossexual que assolou os homens, barba tornou-se coisa de homem desleixado, porém, eu me criei com um pai barbado durante toda a minha infância, e sempre achei bonito, e engraçado pois era uma arma de cosquinhas a “barba picante”.

            Mas a era barba=desleixo parece ter chegado ao fim, e junto com ela surge a nova geração de homens, os lumbersexuais, que são homens mais despojados e casuais, estilo lenhadores barbados de filme, o que não os torna sinônimo de descuido com a imagem, já que a vaidade masculina deixou de ser tabu.

            Os homens por motivo de hormônios, que diferenciam gênero, possuem a capacidade de ter pelos faciais, acho que a barba é democrática, mas como corte ou cor de cabelos, há os que se identifiquem e assegurem sua personalidade com ela, e há os que não gostam.

            Porém o mais curioso nesta nova onda são as diversas formas de chamar atenção para a barba que surgiram, com muita criatividade e originalidade, os homens tem arrasado, e tornado a barba mais que um elemento biológico, e sim usando-a como um acessório, e componente indispensável de estilo.

            Desde as clássicas, que vem sendo adotadas por muitos artistas, e também anônimos… (meus amigos comprovam)

            Como os ousados clicados pelo fotógrafo lituano Dainius Ščiuka criou uma série para mostrar a diversidade das barbas dos homens de seu país. As informações são do Vírgula, da UOL.

            Pierce Thiot e sua mulher Stacy Thiot a criarem uma página na internet fazendo as mais inusitadas intervenções na barba. Ele pode ser considerado o pioneiro desta nova onda. E transforma sua barba em um ambiente artístico. São usados pirulitos, macarrão, aparelhos de barbear, entre outros elementos. Como nos contaram no Catraca Livre.

            Na mesma onda entrou o fotógrafo paulista Adriano Alarcon que seguiu a mesma linha, e deixou a barba crescer por 4 meses para materializar o projeto

            Temos também barbas natalinas criadas pela fotógrafa norte-americana Stephanie Jarstad Seattle, que criou um calendário, e ela não parou por aí, criou versões para a páscoa, e para outras estações, acesse na íntegra.

            Para completar temos as barbas de flores, que estão por toda parte, acredita-se que desde os anos 70, antes da onda Hippie os homens já enfeitavam suas barbas, e parece que a moda voltou contudo.

            Minha sincera opinião é de que os homens estão contudo nessa nova fase, caras limpas nunca foram a minha preferência, e ver eles brincando com isso tem sido muito divertido, e diria até poético.


Camila Amaral

Sobre Camila Amaral

Não tenho uma história bonita pra contar, de que comecei a escrever poesia com nove anos, ou que respiro porque escrevo. Sempre gostei muito de ler, e sempre gostei muito de contar histórias, mas escrever, escrever mesmo, só se tornou recorrente quando me prontifiquei a materializar esse projeto, que hoje é meu, mas também é das minhas amigas, que tanto insistiram e me fizeram prometer que ele existiria. Mas vejo, nesse pouco tempo, que comecei a passar minhas ideias e histórias para o papel, como isso tem me feito bem, e tem me ajudado nessa busca diária de me tornar um ser humano melhor, mais cheia de alma, e mais cheia de calma, percebo como isso tem me feito enxergar o que antes não via, e observar o comportamento das pessoas infinitas vezes mais que antes. Meus escritos sempre tem muito de mim, mas também tem muito do que eu observo, ouço, aprecio e absorvo por aí, um pouco fruto da realidade, um tanto fruto da imaginação. Designer de Moda por formação, sempre pronta pra me reinventar e começar de novo, graças a Deus ideias e sonhos não tem prazo de validade, e nem limite de utilização. Sou privilegiada pelas muitas “famílias” que tenho e que ganhei ao longo dos meus vinte e poucos, me sinto especial quando percebo o tanto de gente incrível me rodeia, e são esses seres mágicos, os lugares, os cheiros, gostos, os sabores, as dores, e as alegrias, os sonhos e as realizações, o dia-a-dia e o excepcional que me inspiram e servem como fonte infinita para escrever e contar pra vocês um pouquinho de como eu enxergo esse mundão.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Um pensamento em “Um viva aos barbados