A triste chegada do Verão em Portugal – oremos para que pare de arder


      O Verão só começou hoje, mais exatamente hoje às 4h24min da manhã, mas os estragos causados pelo calor fazem arder (vulgo queimar) uma área gigante da região central de Portugal. Saí do Brasil comemorando que não passaria o calor de Jaraguá do Sul, pelo que tinha lido e pesquisado, aqui as temperaturas ficavam, em situações extremas, nos 30º.

       Qual não foi minha surpresa quando tivemos duas semanas de temperaturas muito altas e umidade do ar muito baixa, o tempo seco tornava a respiração difícil, as breves ameaças de chuva não serviam nem para aliviar o calor. Alguns portugueses já haviam me dito que é comum os fogos (como chamam as queimadas) no verão. Mas ainda não era verão, e no dia 17, sábado passado, se existe um cenário que caracterize o inferno, ele se fez em Pedrógão Grande, um conselho do norte do Distrito de Leiria.

      A tragédia começou por volta das 14h, e o que se passou e ainda está acontecendo é um filme de horror, os noticiários não cansam de lembrar que esta já é a pior queimada que aconteceu nas últimas décadas, estou morando em Portugal desde fevereiro, e foi difícil ver o que aconteceu, famílias mortas,  vidas queimadas, os depoimentos de quem sobreviveu, tudo isso está ardendo no centro do país.

      Um dos pilotos que faziam o combate aéreo do fogo disse nunca ter visto nada igual, em 15 anos nesta profissão, Espanha e França já enviaram aviões para ajudar a combater o fogo, porém o fumo (como se chama a fumaça) e as condições climáticas não tem ajudado os bombeiros a controlarem de vez às chamas. Já são perto de 17mil hectares destruídos, são aldeias que desapareceram em meio ao fogo, são histórias, são vidas.

        O número de mortos cresce em linha ascendente, e o verão que é para ser uma estação feliz, já chega a Portugal cheia de tristeza, deixando um rastro que não sairá tão cedo da paisagem e da memória portuguesa, batizando a EN 236, para sempre como “Estrada da morte”.

      A Tragédia de Pédrogão, me lembrou muito da Tragédia de Mariana/ES, lá foi a água, aqui foi o fogo, lá foi a lama, aqui foram as cinzas, só que lá a natureza se revoltou pelo que fizeram com ela, aqui ela mostrou que contra ela ninguém pode, e se não aprendermos a respeitá-la continuará provando que sua força não tem limites. O país aqui, decretou 3 dias de luto oficial, porque arde, na pele e no coração do povo.

      E hoje só posso pedir uma coisa, que oremos, para que pare de arder, pare de arder a dor dos feridos, pare de arder as almas de quem perdeu familiares, pare de arder os corpos dos bombeiros dentro dos macacões, pare de arder a vegetação e o asfalto, hoje começou o verão e Portugal já arde, já queima, já está em chamas, e eu espero e rezo de todo o coração para que pare de arder.

 

 

 


Camila Amaral

Sobre Camila Amaral

Não tenho uma história bonita pra contar, de que comecei a escrever poesia com nove anos, ou que respiro porque escrevo. Sempre gostei muito de ler, e sempre gostei muito de contar histórias, mas escrever, escrever mesmo, só se tornou recorrente quando me prontifiquei a materializar esse projeto, que hoje é meu, mas também é das minhas amigas, que tanto insistiram e me fizeram prometer que ele existiria. Mas vejo, nesse pouco tempo, que comecei a passar minhas ideias e histórias para o papel, como isso tem me feito bem, e tem me ajudado nessa busca diária de me tornar um ser humano melhor, mais cheia de alma, e mais cheia de calma, percebo como isso tem me feito enxergar o que antes não via, e observar o comportamento das pessoas infinitas vezes mais que antes. Meus escritos sempre tem muito de mim, mas também tem muito do que eu observo, ouço, aprecio e absorvo por aí, um pouco fruto da realidade, um tanto fruto da imaginação. Designer de Moda por formação, sempre pronta pra me reinventar e começar de novo, graças a Deus ideias e sonhos não tem prazo de validade, e nem limite de utilização. Sou privilegiada pelas muitas “famílias” que tenho e que ganhei ao longo dos meus vinte e poucos, me sinto especial quando percebo o tanto de gente incrível me rodeia, e são esses seres mágicos, os lugares, os cheiros, gostos, os sabores, as dores, e as alegrias, os sonhos e as realizações, o dia-a-dia e o excepcional que me inspiram e servem como fonte infinita para escrever e contar pra vocês um pouquinho de como eu enxergo esse mundão.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *