Retornar não faz voltar 1


       Retroceder, voltar, retornar, quantas possibilidades de interpretação podem surgir nestas palavras, olhos pessimistas podem pensar que significam andar para trás, ver o que já foi visto, regredir, mas se você conseguir abrir o pensamento e encará-las com otimismo, encontrar o lado bom dos retornos da vida, veremos que podem dizer muito mais, podem significar voltar às origens, ver o que é familiar, reconhecer.

         E é bom ver e valorizar coisas que em algum momento foram corriqueiras em nossas vidas, mas que contribuíram para nos tornarmos o que somos agora, sentir nostalgia, na minha singela opinião, é uma sensação reconfortante, pois afirma que você viveu momentos, que se tornaram lembranças, que são revividas no instante em que reencontramos os lugares e as pessoas que fizeram parte da história que se escreveu antes do hoje.

        E se de fato, este retorno ao que passou trouxer lembranças de coisas que se quer esquecer, sejamos fortes para encarar nossos medos e perceber o quão fracos eles estão agora, presos lá atrás, encará-los e deixar claro que hoje, eles já não influenciam a nossa vida, já não podem mais nos atingir.

       Mas o mais incrível é que não precisamos estar presentes fisicamente para retornar ao que um dia já foi nossa vida, com pensamento forte e boa memória, com histórias, os lugares, as pessoas que um dia foram tão presentes e que hoje já são tão passado, podem estar sempre em nossa vida, pois quando precisarmos lembrar de onde viemos, desenhamos os cenários tão conhecidos só com as coisas boas do que já se viveu, deixando para quem ficou as dificuldades que lá também ficaram.

      Quanta contradição em tão poucas palavras, quantos devaneios ocultos em pensamentos distantes, envolvidos por esta nostalgia que é muito mais bonita do que a realidade, não limito os verbos, então utilizo só o que eles puderem me oferecer de melhor.


Camila Amaral

Sobre Camila Amaral

Não tenho uma história bonita pra contar, de que comecei a escrever poesia com nove anos, ou que respiro porque escrevo. Sempre gostei muito de ler, e sempre gostei muito de contar histórias, mas escrever, escrever mesmo, só se tornou recorrente quando me prontifiquei a materializar esse projeto, que hoje é meu, mas também é das minhas amigas, que tanto insistiram e me fizeram prometer que ele existiria. Mas vejo, nesse pouco tempo, que comecei a passar minhas ideias e histórias para o papel, como isso tem me feito bem, e tem me ajudado nessa busca diária de me tornar um ser humano melhor, mais cheia de alma, e mais cheia de calma, percebo como isso tem me feito enxergar o que antes não via, e observar o comportamento das pessoas infinitas vezes mais que antes. Meus escritos sempre tem muito de mim, mas também tem muito do que eu observo, ouço, aprecio e absorvo por aí, um pouco fruto da realidade, um tanto fruto da imaginação. Designer de Moda por formação, sempre pronta pra me reinventar e começar de novo, graças a Deus ideias e sonhos não tem prazo de validade, e nem limite de utilização. Sou privilegiada pelas muitas “famílias” que tenho e que ganhei ao longo dos meus vinte e poucos, me sinto especial quando percebo o tanto de gente incrível me rodeia, e são esses seres mágicos, os lugares, os cheiros, gostos, os sabores, as dores, e as alegrias, os sonhos e as realizações, o dia-a-dia e o excepcional que me inspiram e servem como fonte infinita para escrever e contar pra vocês um pouquinho de como eu enxergo esse mundão.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Um pensamento em “Retornar não faz voltar