Portugal #São Martinho do Porto 2


 

Eu esperando o Trem (comboio) em Leiria!

       Hoje é dia de mais um destino, e ao contrário do Conselho de Batalha, da semana passada, o dia em que fui a São Martinho do Porto não estava tão bonito, mas isso não diminui a riqueza do lugar.

       A Freguesia da Vila São Martinho do Porto, também pertence ao Distrito de Leiria, mas não é um conselho, e sim uma freguesia (bairro), do Conselho de Alcobaça, dá um nó na cabeça isso, mas como Portugal é pequeno, não existem Estados, e sim os Distritos, que englobam vários Conselhos, que são divididos em freguesias, ufaaaa.

Estação de São Martinho do Porto

       Vamos lá, este bairro é uma fofura, e de Leiria até lá fomos de trem, vulgo comboio, a viagem levou aproximadamente 40min, e passamos por Fátima, Alcobaça, Martingança e outros conselhos e freguesias que ficam no caminho.

Azulejos com a rota dos comboios! Em destaque São Martinho!

Azulejo do Castelo de Leiria!

       O dia estava muito frio, e quase tudo estava fechado, visto que era um domingo, mas mesmo assim haviam muitas pessoas na rua, caminhando com os cachorros ou mesmo com os filhos junto ao calçadão que circunda toda a baía, esta com uma estrutura em forma de concha, que faz com que o mar seja calmo e sem ondas, quase como uma lagoa.

A orla da praia!

       A ligação ao mar aberto se faz por uma abertura de 250m que fica entre os morros Santana ao sul e Farol ao norte. Por esta estrutura, São Martinho foi um dos principais portos até o seculo passado, mas com a chegada dos navios a vapor, esta demanda foi diminuindo e hoje é um porto utilizado mais para lazer e para colheita de algas.

         Outro fato curioso é a grande construção abandonada do Hotel Parque, que foi construído em 1910, com obra de um arquiteto brasileiro, José Venceslau de Oliveira, para o seu proprietário Antônio rosa, que havia feito fortuna no Brasil e retornava para a sua terra, o imóvel hoje está em estado de miséria, e dizem que existem projetos para restaurá-lo, mas esta informação corre desde 2009.

    Encontrei até uma página no Face, Amigos Do Hotel Parque (s.martinho Do Porto), mas sem muita movimentação, o que é uma pena, pois trata-se de uma grande obra de arte, 20 anos depois da sua construção ele se tornou a “Pensão Rosa”, e depois Hotel com o mesmo nome, para depois se tornar “Hotel Parque”, que aparece na lista dos Patrimônios Culturais de Portugal. Ele encontra-se fechado desde 1956, e em 2006 houve um incêndio em um dos quartos.

Esta é uma de como era antigamente.

E neste vídeo podemos ver a depreciação que se encontra, uma tristeza.

Bom gente, por hoje é isso, não consegui ver muitas coisas por lá, também trata-se de uma freguesia bem pequena, mas espero que tenham gostado, não esqueçam de comentar, deixar dúvidas e sugestões!

Beijos Camila Amaral

Segue o Quem diria

Insta @quemdiriagurias

Fanpage Quem diria gurias

 


Camila Amaral

Sobre Camila Amaral

Não tenho uma história bonita pra contar, de que comecei a escrever poesia com nove anos, ou que respiro porque escrevo. Sempre gostei muito de ler, e sempre gostei muito de contar histórias, mas escrever, escrever mesmo, só se tornou recorrente quando me prontifiquei a materializar esse projeto, que hoje é meu, mas também é das minhas amigas, que tanto insistiram e me fizeram prometer que ele existiria. Mas vejo, nesse pouco tempo, que comecei a passar minhas ideias e histórias para o papel, como isso tem me feito bem, e tem me ajudado nessa busca diária de me tornar um ser humano melhor, mais cheia de alma, e mais cheia de calma, percebo como isso tem me feito enxergar o que antes não via, e observar o comportamento das pessoas infinitas vezes mais que antes. Meus escritos sempre tem muito de mim, mas também tem muito do que eu observo, ouço, aprecio e absorvo por aí, um pouco fruto da realidade, um tanto fruto da imaginação. Designer de Moda por formação, sempre pronta pra me reinventar e começar de novo, graças a Deus ideias e sonhos não tem prazo de validade, e nem limite de utilização. Sou privilegiada pelas muitas “famílias” que tenho e que ganhei ao longo dos meus vinte e poucos, me sinto especial quando percebo o tanto de gente incrível me rodeia, e são esses seres mágicos, os lugares, os cheiros, gostos, os sabores, as dores, e as alegrias, os sonhos e as realizações, o dia-a-dia e o excepcional que me inspiram e servem como fonte infinita para escrever e contar pra vocês um pouquinho de como eu enxergo esse mundão.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 pensamentos em “Portugal #São Martinho do Porto