Onde me perdi da manada


Não sei exatamente em que altura foi, só sei que de repente eu me perdi da manada. Me desviei sem perceber, não porque desgostava ou estava infeliz com aqueles que me cercavam, eles continuavam no meu pedestal de importância, eles estavam lá e eu sabia que era parte deles, e eles também eram parte de mim.

Mas em algum momento, em algum instante que eu não reparei, eu me vi deslocada, aquilo que havia feito sentido, já não fazia, as coisas que pareciam ter relevância, já não tinham, e me vi isolada do mundo que um dia eu pertenci.

Ajude o Quem diria gurias a crescer e compartilhe este post nas redes sociais!

Você também pode gostar:

Afastar-me não significou, em momento nenhum, que aqueles que ficaram lá deixaram de fazer parte do meu universo, mas mostrou que não se encaixavam mais nos meus novos sonhos, e eles sabiam disso, por mais que doesse neles, como também doía em mim, mas por saberem, me deixavam livre, permitiram que eu saísse da rota, que eu deixasse a manada e fosse buscar as coisas que passavam pela minha cabeça.

Meu bando não me excluiu, nunca me afastou, só compreendeu que eu precisava ir, deixou-me livre para que eu pudesse me perder, permitiu que eu deixasse os meus para buscar algo que nem mesmo sabia o que era.

Hoje percebo que eu não me perdi da minha manada, ela que sempre me preparou para isso, eles sabiam que eu não era de ficar, só estavam esperando o momento que eu decidiria partir, e se hoje corro livre por aí conquistando as coisas que acredito, e se um dia achar que o certo é voltar, estarão lá esperando por mim.

Nos sigam lá gente

Insta – @quemdiriagurias

Fanpage – Quem diria gurias

Insta Camila – @lilanomundo

 


Camila Amaral

Sobre Camila Amaral

Não tenho uma história bonita pra contar, de que comecei a escrever poesia com nove anos, ou que respiro porque escrevo. Sempre gostei muito de ler, e sempre gostei muito de contar histórias, mas escrever, escrever mesmo, só se tornou recorrente quando me prontifiquei a materializar esse projeto, que hoje é meu, mas também é das minhas amigas, que tanto insistiram e me fizeram prometer que ele existiria. Mas vejo, nesse pouco tempo, que comecei a passar minhas ideias e histórias para o papel, como isso tem me feito bem, e tem me ajudado nessa busca diária de me tornar um ser humano melhor, mais cheia de alma, e mais cheia de calma, percebo como isso tem me feito enxergar o que antes não via, e observar o comportamento das pessoas infinitas vezes mais que antes. Meus escritos sempre tem muito de mim, mas também tem muito do que eu observo, ouço, aprecio e absorvo por aí, um pouco fruto da realidade, um tanto fruto da imaginação. Designer de Moda por formação, sempre pronta pra me reinventar e começar de novo, graças a Deus ideias e sonhos não tem prazo de validade, e nem limite de utilização. Sou privilegiada pelas muitas “famílias” que tenho e que ganhei ao longo dos meus vinte e poucos, me sinto especial quando percebo o tanto de gente incrível me rodeia, e são esses seres mágicos, os lugares, os cheiros, gostos, os sabores, as dores, e as alegrias, os sonhos e as realizações, o dia-a-dia e o excepcional que me inspiram e servem como fonte infinita para escrever e contar pra vocês um pouquinho de como eu enxergo esse mundão.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *