Guarde as lembranças


       Ainda bem que lembrança é coisa que não pode ser roubada, ainda bem que lembrança só consegue guardar quem viveu, lembrança não se empresta e não se dá, lembrança se preserva, no pensamento, no coração.

      E essas lembranças são minhas, mas são tuas também, lembranças de como eu não conseguia parar de sorrir depois que tu chegava, lembranças de como tu abreviava as palavras e as frases, e eu nunca entendia, lembranças de abrir a porta e te ver ali parado, com um fardo de cerveja na mão.

      A gente nunca foi nada, mas eu lembro de tudo, a gente sempre foi tudo, mas evito lembrar do nada, e além de lembrar de tudo isso, eu lembro que a gente lembrava, a gente lembrava das nossas gírias, e das pessoas que encontrávamos no caminho, a gente lembrava juntos das músicas e das bebidas, a gente lembrava do que vivemos, e do que nunca iríamos viver.

     Lembrava dos caminhos da serra, e dos atalhos pra praia, lembrava de tomar mais um porre pra esquecer, lembrava de comer cachorro-quente com bastante maionese, lembrava de se amar na beira da estrada ou em cima da cama, lembrava das nossas diferenças, mas ainda mais das nossas semelhanças.

       Lembramos do que fizemos antes, e do que faremos depois de nós, por um minuto lembramos nossa velhice e esquecemos as lembranças, no segundo seguinte já estamos lembrando de novo, e dessas lembranças, se alimentam sentimentos, dessas lembranças, se alimentam certezas de tudo e também de nada.

      Agora acabo de me lembrar, que nossas lembranças obscuras e também as mais brilhantes vão sempre nos lembrar, de que a vida é muito mais do que repetição, ela é feita de momentos, que se tornam ou não especiais, pela força da nossa lembrança, e pelo esforço que fazemos para guarda-los ou não. Não sei tu, mas eu ainda lembro.

 

Nos sigam lá gente

Insta – @quemdiriagurias

Fanpage – Quem diria gurias

Insta Camila – @lilaemsanta


Camila Amaral

Sobre Camila Amaral

Não tenho uma história bonita pra contar, de que comecei a escrever poesia com nove anos, ou que respiro porque escrevo. Sempre gostei muito de ler, e sempre gostei muito de contar histórias, mas escrever, escrever mesmo, só se tornou recorrente quando me prontifiquei a materializar esse projeto, que hoje é meu, mas também é das minhas amigas, que tanto insistiram e me fizeram prometer que ele existiria. Mas vejo, nesse pouco tempo, que comecei a passar minhas ideias e histórias para o papel, como isso tem me feito bem, e tem me ajudado nessa busca diária de me tornar um ser humano melhor, mais cheia de alma, e mais cheia de calma, percebo como isso tem me feito enxergar o que antes não via, e observar o comportamento das pessoas infinitas vezes mais que antes. Meus escritos sempre tem muito de mim, mas também tem muito do que eu observo, ouço, aprecio e absorvo por aí, um pouco fruto da realidade, um tanto fruto da imaginação. Designer de Moda por formação, sempre pronta pra me reinventar e começar de novo, graças a Deus ideias e sonhos não tem prazo de validade, e nem limite de utilização. Sou privilegiada pelas muitas “famílias” que tenho e que ganhei ao longo dos meus vinte e poucos, me sinto especial quando percebo o tanto de gente incrível me rodeia, e são esses seres mágicos, os lugares, os cheiros, gostos, os sabores, as dores, e as alegrias, os sonhos e as realizações, o dia-a-dia e o excepcional que me inspiram e servem como fonte infinita para escrever e contar pra vocês um pouquinho de como eu enxergo esse mundão.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *