Aquela sensação de que algo está faltando


Fim de ano chegando, e eu to sentindo um vazio por aqui, paira no ar aquela sensação de que algo está faltando. Mas o que é que está faltando depois de um ano tão maravilhoso?

Ahhh, é que esse ano não vai ter episódio de Natal do Sense8, e como vamos lidar, eu to sofrendo real com essa notícia de que a série vai acabar.

Claro que to na ansiedade de que tem um último episódio por vir, pra explicar como o Wolfgang vai encontrar a Kala e como o Will conseguiu livras os Sense8 do Susurros.

Mas e depois, como vai ser? Não consigo nem pensar em viver sem eles, é uma tristeza sem fim.

Isso é desumano Netflix, fazer a gente se apaixonar por essas 8 pessoinhas e simplesmente tirar eles assim da nossa vida, sem aviso prévio, sem nos explicar como a Sun vai se vingar, sem deixar claro se a mãe do Capheus vai sobreviver.

Sense 8 – Finale

Te vemos en el 2018.

Posted by Sense8 on Friday, December 15, 2017

Agora que eu tava procurando meus Sense8 no mundo, saber que eles não vão mais existir dói. Pra quem não viu a série isso parece conversa de louco, pois saibam até pode ser, mas que é uma loucura que eu queria viver, é fato.

 

Ajude o Quem diria gurias a crescer e compartilhe este post nas redes sociais!

Você também pode gostar:

 

Daí fico aqui que nem louca, me cadastrando em promoções de lojas para encontrar o Lito (vulgo Miguel Ángel), pra perguntar se a Dani e o Hernando estão bem.

Querendo conhecer a Islândia só pra ver se o pai da Riley mora lá.

Ahh, a gente se deixa levar, sim, porque séries como Sense8 fazem um carinho na alma, nos fazem viajar pelo mundo sem sair de casa, nos dão vidas no jogo do nosso dia-a-dia.

Então se mais alguém que está lendo este post também acha que é um Sense8, me chama, me manda email, sinal de fumaça ou me visita mesmo, porque isso era tudo que eu precisava pra acabar o ano feliz, e sem a sensação de que algo está faltando.

 

Nos sigam lá gente

Insta – @quemdiriagurias

Fanpage – Quem diria gurias

Insta Camila – @lilanomundo

 

 


Camila Amaral

Sobre Camila Amaral

Não tenho uma história bonita pra contar, de que comecei a escrever poesia com nove anos, ou que respiro porque escrevo. Sempre gostei muito de ler, e sempre gostei muito de contar histórias, mas escrever, escrever mesmo, só se tornou recorrente quando me prontifiquei a materializar esse projeto, que hoje é meu, mas também é das minhas amigas, que tanto insistiram e me fizeram prometer que ele existiria. Mas vejo, nesse pouco tempo, que comecei a passar minhas ideias e histórias para o papel, como isso tem me feito bem, e tem me ajudado nessa busca diária de me tornar um ser humano melhor, mais cheia de alma, e mais cheia de calma, percebo como isso tem me feito enxergar o que antes não via, e observar o comportamento das pessoas infinitas vezes mais que antes. Meus escritos sempre tem muito de mim, mas também tem muito do que eu observo, ouço, aprecio e absorvo por aí, um pouco fruto da realidade, um tanto fruto da imaginação. Designer de Moda por formação, sempre pronta pra me reinventar e começar de novo, graças a Deus ideias e sonhos não tem prazo de validade, e nem limite de utilização. Sou privilegiada pelas muitas “famílias” que tenho e que ganhei ao longo dos meus vinte e poucos, me sinto especial quando percebo o tanto de gente incrível me rodeia, e são esses seres mágicos, os lugares, os cheiros, gostos, os sabores, as dores, e as alegrias, os sonhos e as realizações, o dia-a-dia e o excepcional que me inspiram e servem como fonte infinita para escrever e contar pra vocês um pouquinho de como eu enxergo esse mundão.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *