Amores avassaladores não sobem o altar


felipe 17

Felipe Rapaki

        Chegou varrendo tudo que existia até ali, chegou derrubando todos os muros e invadindo sem pedir, aquele lugar tão recluso que era meu coração. Chegou e tirou meu pino de centro, mexeu nas minhas estruturas, revirou minhas entranhas.

             Não respeitou convenções sociais, não respeitou o que era “correto”, e me levou junto nessa jornada de rebeldia desvairada, e eu fui, embriagada naquela sensação nova, que ainda não havia sentido neste período de vida que me cabia, nunca experimentei emoção parecida.

          Fui permitindo ser consumida por aquela novidade, por aqueles sentimentos que nos mantinham, numa frequência só nossa. Foi tudo tão rápido, tão repentino, sem tempo de organizar pensamentos, sem tempo de evitar que os sentimentos escorressem por entre os dedos, e perdêssemos o controle sobre eles.

           Mas a gente viveu, tudo intensamente, como tinha de ser, sem considerar situações, sem pedir permissões, vivemos e isso nos bastou. Vivemos como se fosse uma queda livre, uma descida de montanha-russa, vivemos sem pretensão de amanhã, vivemos o que o agora nos oferecia.

            E até fomos longe com esse amor voraz, esgotamos ele até a última baga, tiramos tudo que de melhor que ele tinha pra nos dar, ele foi nosso abismo, nossa incerteza mais certa, foi nossa condição mais humana, foi avassalador.

          E quando me joguei nele, eu já sabia que não daria certo, sei que essa certeza também existia em ti, porque assim como ele bagunçou quando chegou, não se aquietaria para ficar, ele nunca foi calmaria, nunca foi estabilidade, ele arrebataria na saída, machucaria sem nenhuma dúvida, pois esses amores não foram feitos para durar, foram feitos para viver, porque amores avassaladores não sobem o altar.


Camila Amaral

Sobre Camila Amaral

Não tenho uma história bonita pra contar, de que comecei a escrever poesia com nove anos, ou que respiro porque escrevo. Sempre gostei muito de ler, e sempre gostei muito de contar histórias, mas escrever, escrever mesmo, só se tornou recorrente quando me prontifiquei a materializar esse projeto, que hoje é meu, mas também é das minhas amigas, que tanto insistiram e me fizeram prometer que ele existiria. Mas vejo, nesse pouco tempo, que comecei a passar minhas ideias e histórias para o papel, como isso tem me feito bem, e tem me ajudado nessa busca diária de me tornar um ser humano melhor, mais cheia de alma, e mais cheia de calma, percebo como isso tem me feito enxergar o que antes não via, e observar o comportamento das pessoas infinitas vezes mais que antes. Meus escritos sempre tem muito de mim, mas também tem muito do que eu observo, ouço, aprecio e absorvo por aí, um pouco fruto da realidade, um tanto fruto da imaginação. Designer de Moda por formação, sempre pronta pra me reinventar e começar de novo, graças a Deus ideias e sonhos não tem prazo de validade, e nem limite de utilização. Sou privilegiada pelas muitas “famílias” que tenho e que ganhei ao longo dos meus vinte e poucos, me sinto especial quando percebo o tanto de gente incrível me rodeia, e são esses seres mágicos, os lugares, os cheiros, gostos, os sabores, as dores, e as alegrias, os sonhos e as realizações, o dia-a-dia e o excepcional que me inspiram e servem como fonte infinita para escrever e contar pra vocês um pouquinho de como eu enxergo esse mundão.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *