Abostados, uma raça que se prolifera 2


Abostado é um termo utilizado no Rio Grande do Sul, para descrever pessoas sem noção, abostados são seres desprovidos de capacidade intelectual, do tal sifragol que acreditamos que as pessoas devam ter, são aqueles que falam as coisas no momento mais inapropriado, e contam piadas em situações totalmente ingratas. Abostados, uma raça que se prolifera.

Os abostados estão por toda parte, na balada dando cantadas deslavadas, nos bares vangloriando asneiras, nos shoppings arrotando altivez escrachada, na televisão subestimando nossa inteligência… e quando pensamos que não pode existir ninguém mais abostado que um fulano, vem outro e supera a estupidez de pensamentos e atitudes, e nós seres com o telencéfalo desenvolvido…

…temos três alternativas para lidar com os abostados:

1ª Ignorar sua presença para ver se eles se fragam na base da indiferença, e descobrem o quanto são inadequados;

2ª Tentar explicar a situação de forma mais clara para que eles possam melhor se posicionar nesta, e em outras circunstâncias; ou

3ª (E confesso por vezes minha favorita), dar uma resposta desaforada na mesma proporção da ignorância do cidadão, fazendo-o situar-se no tempo e no espaço, e do quanto o seu grau de abostamento prejudica e interfere naqueles que de certa forma, são obrigados a conviver com ele.

 

Ajude o Quem diria gurias a crescer e compartilhe este post nas redes sociais!

Você também pode gostar:

 

Por isso se você conhece, ou mesmo se talvez esteja se reconhecendo um abostado, por favor, ajude a acabar com isso, temos que colocar esta espécie em extinção, precisamos terminar com essa praga que contamina nossa sociedade, pensamentos ordinários, com cabeças cheias de bosta que acabam liberando pela boca ideias obsoletas, desnecessárias, preconceituosas, palavras com mediocridade de sapiência.

Precisamos de uma sociedade menos abostada, e mais focada em resolver os reais problemas, precisamos de mais telencéfalos desenvolvidos batalhando por um senso comum com menos superficialidade, precisamos trabalhar essa evolução pelo bem da nossa cultura, pelo que ainda prezamos para nosso futuro. As diferenças de opiniões sempre estarão presentes na sociedade, mas das ideias abostadas, podemos e devemos abrir mão.

Nos sigam lá gente

Insta – @quemdiriagurias

Fanpage – Quem diria gurias

Insta Camila – @lilanomundo


Camila Amaral

Sobre Camila Amaral

Não tenho uma história bonita pra contar, de que comecei a escrever poesia com nove anos, ou que respiro porque escrevo. Sempre gostei muito de ler, e sempre gostei muito de contar histórias, mas escrever, escrever mesmo, só se tornou recorrente quando me prontifiquei a materializar esse projeto, que hoje é meu, mas também é das minhas amigas, que tanto insistiram e me fizeram prometer que ele existiria. Mas vejo, nesse pouco tempo, que comecei a passar minhas ideias e histórias para o papel, como isso tem me feito bem, e tem me ajudado nessa busca diária de me tornar um ser humano melhor, mais cheia de alma, e mais cheia de calma, percebo como isso tem me feito enxergar o que antes não via, e observar o comportamento das pessoas infinitas vezes mais que antes. Meus escritos sempre tem muito de mim, mas também tem muito do que eu observo, ouço, aprecio e absorvo por aí, um pouco fruto da realidade, um tanto fruto da imaginação. Designer de Moda por formação, sempre pronta pra me reinventar e começar de novo, graças a Deus ideias e sonhos não tem prazo de validade, e nem limite de utilização. Sou privilegiada pelas muitas “famílias” que tenho e que ganhei ao longo dos meus vinte e poucos, me sinto especial quando percebo o tanto de gente incrível me rodeia, e são esses seres mágicos, os lugares, os cheiros, gostos, os sabores, as dores, e as alegrias, os sonhos e as realizações, o dia-a-dia e o excepcional que me inspiram e servem como fonte infinita para escrever e contar pra vocês um pouquinho de como eu enxergo esse mundão.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 pensamentos em “Abostados, uma raça que se prolifera