A utopia do pudor


ro 8

Foto: Roberta Sant’anna

        Bar lotado, copos empunhados, musica rolando, conversas fluindo, e mentes sem pudor. As pessoas se intitulam corretas, se vangloriam por serem fiéis, e pior, as pessoas julgam, todos aqueles que de alguma forma demonstram sua falta de pudor.

        Mas estas “regras sociais” se restringem ao ambiente público, pois este é o correto, o problema, é que ninguém pode mentir para si mesmo, e que atirem a primeira pedra quem em pensamento, no meio do bar, não cobiçou a mulher do próximo, ou não imaginou o bonitão pelado na sua cama, ou não pensou em fazer companhia para um casal, ou ainda descobriu que havia uma segunda e melhor opção para beijar na noite… Nossa cabeça não tem pudores, e não sejamos hipócritas em dizer: – Eu nunca pensei estas coisas!

    As pessoas pensam o tempo todo, e nestes pensamentos com certeza estão concepções ligadas aos relacionamentos, ao sexo, ao tesão, e não se julguem por terem estes pensamentos, eles são inerentes a nossa vontade, somos seres humanos, e nossos instintos gritam por isso.

         Não estou fazendo uma campanha contra o fim do pudor, longe disso, nem estou dizendo para que deixemos que nossos pensamentos despudorados nos controlem e que façamos tudo o que imaginarmos, mas estou dizendo que aceitemos estes pensamentos, e não nos recriminemos por tê-los, não julgando aqueles que de alguma forma rompem as amarras sociais e permitem que suas luxurias sejam satisfeitas.

         Mesmo que você não faça, seu pensamento já fez, você já perdeu o pudor, sejamos menos puritanos, isto te faz igual, julguemos menos, e vamos tratar de aproveitar nossa criatividade e nos libertar, pelo menos em nosso pensamento, dos nossos pudores.


Camila Amaral

Sobre Camila Amaral

Não tenho uma história bonita pra contar, de que comecei a escrever poesia com nove anos, ou que respiro porque escrevo. Sempre gostei muito de ler, e sempre gostei muito de contar histórias, mas escrever, escrever mesmo, só se tornou recorrente quando me prontifiquei a materializar esse projeto, que hoje é meu, mas também é das minhas amigas, que tanto insistiram e me fizeram prometer que ele existiria. Mas vejo, nesse pouco tempo, que comecei a passar minhas ideias e histórias para o papel, como isso tem me feito bem, e tem me ajudado nessa busca diária de me tornar um ser humano melhor, mais cheia de alma, e mais cheia de calma, percebo como isso tem me feito enxergar o que antes não via, e observar o comportamento das pessoas infinitas vezes mais que antes. Meus escritos sempre tem muito de mim, mas também tem muito do que eu observo, ouço, aprecio e absorvo por aí, um pouco fruto da realidade, um tanto fruto da imaginação. Designer de Moda por formação, sempre pronta pra me reinventar e começar de novo, graças a Deus ideias e sonhos não tem prazo de validade, e nem limite de utilização. Sou privilegiada pelas muitas “famílias” que tenho e que ganhei ao longo dos meus vinte e poucos, me sinto especial quando percebo o tanto de gente incrível me rodeia, e são esses seres mágicos, os lugares, os cheiros, gostos, os sabores, as dores, e as alegrias, os sonhos e as realizações, o dia-a-dia e o excepcional que me inspiram e servem como fonte infinita para escrever e contar pra vocês um pouquinho de como eu enxergo esse mundão.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *