A língua é o chicote da bunda


           girafa

            Ditado velho, sensação nova. – “Nunca vou deixar de atualizar o blog.” -“Quando eu começar não vou parar.” – “Acho uma falta de respeito com quem acompanha o blog.” Bingo! Me peguei fazendo aquilo mesmo que eu enchia a boca pra dizer que não faria. A língua é o chicote da bunda!

           A vida é assim, e eu já havia comprovado em outras situações, na maioria das vezes em que falamos “NUNCA farei, falarei ou viverei” algo, porém, surgem circunstâncias que nos fazem repensar tudo e sentir na pele aquilo que a boca se encheu para pronunciar o NUNCA.

          Mas acredito, que temos que buscar clareza para entender estes desafios como uma evolução, uma forma de repensar antes de julgar, ou antes de acreditar que se está exímio de cometer erros, pois isso é uma constante na vida, e somente quando calçamos as “sandálias da humildade”, controlamos a língua e nos colocar no lugar dos outros, antes de falar que nunca faremos, é que poderemos realmente sentir o que eles sentem.

         Mas chega de lamentações, bora compensar o tempo perdido. O QDG é como um filho querido, e tratei de deixá-lo bem do jeitinho que eu queria, trabalhei bastante para torná-lo real, e agora me senti uma mãe desnaturada deixando-o abandonado por esse tempo. Tive meus motivos (mas isto é assunto pra outro post), e ainda não sei como será essa volta, muitas ideias estão surgindo e junto com elas aquele frio na barriga bom que a novidade traz.

         Portanto, quero pedir desculpas para quem gosta de acompanhar o blog, e pela falta de explicações, estamos de volta, e prometo dar o melhor para criar conteúdo e trazer assuntos que valham a pena o tempo gasto no QDG.

         Como tudo na vida é uma lição, essa foi mais uma que aprendi, e espero carregá-la pra sempre, lembrando que não estamos livres de cometer os deslizes que por vezes apontamos, o policiamento de nossas falas, ações e pensamentos, é o primeiro passo para nos tornarmos melhores e conscientes que cedo ou tarde poderemos cometer os mesmos vacilos que no passado apontamos.

          Obrigada a quem acompanha o blog, e me dá motivação para continuar, divulguem, contem para os amigos, indiquem textos, a ajuda de vocês é fundamental, e fiquem à vontade para sugerir assuntos, criticar, elogiar!!


Camila Amaral

Sobre Camila Amaral

Não tenho uma história bonita pra contar, de que comecei a escrever poesia com nove anos, ou que respiro porque escrevo. Sempre gostei muito de ler, e sempre gostei muito de contar histórias, mas escrever, escrever mesmo, só se tornou recorrente quando me prontifiquei a materializar esse projeto, que hoje é meu, mas também é das minhas amigas, que tanto insistiram e me fizeram prometer que ele existiria. Mas vejo, nesse pouco tempo, que comecei a passar minhas ideias e histórias para o papel, como isso tem me feito bem, e tem me ajudado nessa busca diária de me tornar um ser humano melhor, mais cheia de alma, e mais cheia de calma, percebo como isso tem me feito enxergar o que antes não via, e observar o comportamento das pessoas infinitas vezes mais que antes. Meus escritos sempre tem muito de mim, mas também tem muito do que eu observo, ouço, aprecio e absorvo por aí, um pouco fruto da realidade, um tanto fruto da imaginação. Designer de Moda por formação, sempre pronta pra me reinventar e começar de novo, graças a Deus ideias e sonhos não tem prazo de validade, e nem limite de utilização. Sou privilegiada pelas muitas “famílias” que tenho e que ganhei ao longo dos meus vinte e poucos, me sinto especial quando percebo o tanto de gente incrível me rodeia, e são esses seres mágicos, os lugares, os cheiros, gostos, os sabores, as dores, e as alegrias, os sonhos e as realizações, o dia-a-dia e o excepcional que me inspiram e servem como fonte infinita para escrever e contar pra vocês um pouquinho de como eu enxergo esse mundão.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *